Unidos da Tijuca é campeã do Carnaval 2014 do Rio de Janeiro. VEJA FOTOS

UTimagem2A Unidos da Tijuca é a campeã do Carnaval 2014 do Rio de Janeiro. A escola que fez um tributo a Ayrton Senna para encerrar os desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro, na madrugada de terça-feira, conquistou 299,4 pontos, um décimo à frente da segunda colocada, que ficou com a Salgueiro. Esse é o quarto título da agremiação (1936, 2010 e 2012) e o terceiro em cinco anos com o carnavalesco Paulo Barros à frente da escola.

A Império da Tijuca, primeira a desfilar no domingo, foi rebaixada para o Grupo A com 291,6 pontos. A escola recebeu apenas um dez dos jurados, no quesito evolução.

Segundo informações da CBN, houve confusão no momento do anúncio do vencedor porque a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro) não queria muitos integrantes no palco. Integrantes da Unidos da Tijuca e seguranças da Liesa chegaram a trocar agressões, mas a confusão foi resolvida minutos depois.

A campeã de 2014

“Estamos atrás do penta. Foi um Carnaval bem disputado, as escolas estão de parabéns. Sábado vamos fazer chover champanhe na avenida”, disse o presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta, à TV Globo. Integrante da ala das baianas, Alcenir Ferreira, de 68 anos, comentou ao UOL a emoção pela vitória. “É indescritível. Estou muito feliz, foi um título mais do que merecido”, disse ela, que desfila pela escola há 40 anos.

Com personagens da velocidade, a Unidos da Tijuca fez seu desfile em 1h06, tempo mínimo da duração regulamentar, que é entre 1h05 e 1h22. Além representar a Fórmula 1 com carros da McLaren de Ayrton Senna, o enredo “Acelera, Tijuca” trouxe outros personagens da velocidade, como Sonic, Speed Racer, Papalégua, The Flash, Penépole Charmosa, Dick Vigarista e o corredor Usain Bolt, para disputar a pole position na Sapucaí. Animais como o Falcão Negro e invenções do homem, como o trem bala e a internet, também fizeram parte do enredo.

A Unidos também trouxe uma novata na escola entre suas musas: a modelo Ana Paula Evangelista, que foi acolhida pela agremiação duas semanas antes do Carnaval. Ela perdeu o posto de rainha de bateria da Mocidade Independente de Padre Miguel após uma crise política dentro da escola, que resultou no afastamento do então presidente Paulo Vianna. No lugar dela, foi coroada a atriz Mariana Rios. “Agora que vim para a Tijuca gostaria de me manter na escola. Meu coração é amarelo e azul”, disse ela ao UOL.

Apuração

Todas as escolas cumpriram os quesitos e não sofreram penalizações. No quesito enredo, as escolas mais bem avaliadas foram Salgueiro, União da Ilha, Imperatriz Leopoldinense e Unidos da Tijuca –todas receberam dez pontos dos quatro jurados.

Em fantasias, a União da Ilha foi a única escola receber só notas dez. Em alegorias e adereços, Grande Rio liderou os votos, recebendo apenas notas dez. A Vila Isabel, que tinha alas inteiras sem figurino por conta de problemas na entrega, conseguiu notas mais altas do que escolas que estavam completas.

As duplas de mestre-sala e porta-bandeira da Imperatriz (que levou estandarte de ouro) e da Unidos da Tijuca foram as que mais agradaram os jurados –todos eles deram nota dez. Os jurados do samba-enredo foram rigorosos e distribuíram poucas notas máximas, destacando somente a Portela.

Na harmonia, a Salgueiro saiu melhor frente aos jurados, recebem apenas notas dez. Em evolução, União da Ilha e Unidos da Tijuca foram as melhores avaliadas pelos jurados. No quesito conjunto, Portela e Unidos da Tijuca ficaram com as melhores avaliações.

Nenhuma escola tirou apenas notas dez no quesito comissão de frente, mas as que melhores se saíram para os jurados foram Salgueiro e Unidos da Tijuca. Na bateria, Beija-Flor e Unidos da Tijuca lideraram a preferência dos jurados.

A São Clemente só conquistou um jurado com a nota máxima em mestre-sala e porta-bandeira. A Beija-Flor e a Mocidade só foram receber suas primeiras notas dez no quesito mestre-sala e porta-bandeira. Cada quesito foi avaliado por quatro juízes com notas de 9,0 a 10 –a menor nota em cada quesito é descartada.

UTimagem5 UTimagem1 UTimagem3 UTimagem4

Da Redação
Com Uol/Fotos: G1

Mocidade Alegre é eleita tricampeã do Carnaval 2014 em São Paulo

3---mocidade-alegreCom o enredo “Andar Com Fé Eu Vou… Que a Fé Não Costuma Falhar!”, a Mocidade Alegre foi eleita tricampeã do Grupo Especial de São Paulo no Carnaval 2014. A escola, que venceu em 2012 e 2013, conquistou 239,7 pontos –três décimos à frente da Rosas de Ouro, que ficou com o vice-campeonato pelo terceiro ano seguido.

Leandro de Itaquera e Pérola Negra ficaram na 14ª e 13ª posições, respectivamente, e foram rebaixadas para o grupo de acesso.

Terceira escola a desfilar na madrugada de sábado para domingo, a Mocidade Alegre fechou o desfile em cima do limite de 65 minutos, mas primou pelo rigor em detalhes para ganhar o público e os jurados falando sobre a fé.

Entre os pontos altos do desfile da agremiação do bairro do Limão estiveram a comissão de frente de olhos vendados –em referência à fé cega–, e uma “paradona” da bateria, com coreografia em que os ritmistas ficavam de joelhos.

A presidente da escola, Solange Bichara, que chegou a passar mal durante o desfile e foi atendida com arritmia cardíaca, também teve um mal-estar depois do fim da apuração, quando a escola foi anunciada campeão. Cercada de repórteres e chorando, Solange agradeceu. “Meu Deus do céu eu não acredito. Obrigada barracão, obrigada comunidade. Vocês são demais”, disse. “Não acredito. Preciso de uma água”, exclamava ela, visivelmente emocionada. “A fé, o respeito e educação do sambista vencem sempre. Não gosto de cantar vitória antes”, completou.

Mestre Sombra, diretor de bateria, também comemorou emocionado. “Estou até um pouco confuso. Depois de tanta dificuldade que passamos, ganhamos. Vamos comemorar”, disse.

A apuração ocorreu na tarde desta terça-feira (4), no Sambódromo do Anhembi, com a presença de apenas dez integrantes de cada escola e fechada aos torcedores. A leitura das notas chegou a ser interrompida antes do último quesito, por conta da presença de um helicóptero, e só foi retomada quando ele parou de sobrevoar o local.

Como medida de segurança, quatro barreiras separavam as mesas das escolas da mesa dos diretores da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo. As restrições de acesso foram adotadas depois que um integrante da Império de Casa Verde invadiu a área da liga e rasgou notas em 2012.

Os integrantes das escolas acompanharam a apuração em silêncio. As cinco primeiras colocadas serão instaladas na Fábrica do Samba, tornando o resultado ainda mais importante.

A Fábrica do Samba é um projeto da Prefeitura de São Paulo que prevê a construção de 14 barracões, prédios administrativos, salas de aula, museu, lanchonete, estacionamento e central de reciclagem, localizado há um quilômetro do Anhembi. A prefeitura promete a entrega de apenas cinco barracões no primeiro semestre deste ano.

Neste ano, foram quatro jurados para cada um dos nove quesitos, com notas de oito a dez. A menor nota de cada quesito foi descartada.

A partir de quarta-feira as bilheterias do Anhembi estarão abertas para venda de ingressos para o desfile das campeãs, que acontece na sexta-feira (7).

Da Redação
Com Uol/Montagem: G1

Salgueiro, Mangueira e Beija-Flor levantam público no 1º dia de desfiles

O primeiro dia do desfile de escolas de samba do Grupo Especial do Rio foi marcado por homenagens à História do Brasil e às tradições herdadas pelos povos africanos. Seis escolas passaram pela Sapucaí entre a noite de domingo (2) e madrugada desta segunda-feira (3): Império da Tijuca, Grande Rio, São Clemente, Mangueira, Salgueiro e Beija-Flor.

Duas delas (Grande Rio e Mangueira) falaram sobre o Descobrimento do Brasil em suas comissões de frente. A cultura africana permeou a maior parte do desfile da Império da Tijuca, mas também foi retratado novamente na Mangueira e no desfile do Salgueiro. Todas as escolas mostraram criatividade na hora de trazer elementos acrobáticos e efeitos especiais. Na São Clemente, até piscinas de plástico subiram nas alegorias. Acrobatas se apresentaram em um canhão humano na Grande Rio. Houve tirolesa na Mangueira e uma artista chegou a “levitar” em uma alegoria do Salgueiro, graças a um truque mecânico.

Sem atrasos, os imprevistos foram pequenos: na Mangueira, um carro alto demais ficou entalado na avenida, e acabou com peça arrancada. No Salgueiro, uma das alegorias soltou fumaça, mas não teve os movimentos comprometidos, e um dos carros, dedicado ao elemento fogo, teve problemas na iluminação. A Beija-Flor fechou os desfiles versando sobre comunicação, com homenagem a Boni, ex-diretor da TV Globo, e muitos famosos.

Veja a seguir o resumo dos desfiles deste domingo:

9dd2ed28a6a9f15f39d37152201fbbe2222e4d60

Império da Tijuca
A escola da Zona Norte do Rio abriu os desfiles com o enredo “Batuk”, que mostrou a força do batuque que chegou ao Brasil com os negros africanos e se disseminou em festas. A Império lembrou os ritmos que vieram da África e também apostou em ritmos mais novos, representados pela figura de Chico Science e Nação Zumbi, Filhos de Gandhi e AfroReggae. O desfile falou ainda a formação do samba, do jongo e do maxixe.

Empolgante, a apresentação da escola marcou sua volta ao Grupo Especial, depois de 16 anos no Grupo de Acesso. Ela foi assinada por Júnior Pernambucano, carnavalesco mais jovem entre as 12 escolas do Rio, com 34 anos. No ano passado, ele ajudou a conquistar o título do Grupo de Acesso.

a85f1403f592b52b8ea7bc848cd284a856c7c6f4

Acadêmicos do Grande Rio
Para comemorar os 200 anos de fundação da cidade de Maricá, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, a Acadêmicos do Grande Rio levou à avenida um samba-enredo poético e diversas surpresas nas alegorias. Além de carros com detalhes articulados e um show de bailarinos, a escola arrancou aplausos do público ao levar, como parte da comissão de frente, um canhão humano, com a participação de um artista chileno profissional.

A cantora Maysa, moradora de Maricá, foi a principal personalidade homenageada pela Grande Rio. O naturalista inglês Charles Darwin, que participou de uma expedição à cidade, inspirou boa parte dos carros alegóricos e fantasias, com alusões à flora e à fauna locais. Uma enorme locomotiva com fumaça e som contou a história do progresso da cidade, que passou a transportar seus produtos agrícolas após a construção da estação de trem. O desfile durou 81 minutos e não apresentou percalços técnicos.

cd29a8f31c55da1a804819d97beb4ee6248ed675

São Clemente
Com o tema “Favela”, a São Clemente escolheu um belo samba-enredo e abusou das cores e da criatividade para falar dos hábitos nos morros. Usando muito humor, abordou a pobreza, falou de esperança, justiça social e contou detalhes da história desses locais. Entre os 3.200 componentes pôde se ver detalhes divertidos do cotidiano das comunidades: churrasquinho na laje, pipas, piscininhas de plástico e latas d’água ganharam espaço na Marquês de Sapucaí.

A escola homenageou diversas favelas do Rio em suas alas, com fantasias originais e diferentes uma das outras. A da Rocinha trouxe bastante verde nas roupas de seus integrantes, a da Mangueira tinha a árvore que dá nome ao lugar e a do Complexo do Alemão mostrava postes e fios emaranhados em cada componente. Mais criativa de todas era a que representava o Morro Santa Marta, com a enorme pedra que existe no local e uma alusão ao astro Michael Jackson, que gravou um clipe ali quando esteve no Brasil, em 1996. A escola inteira cantou alto e a plateia acompanhou.

6a9eb106c0d916ec78d94b7781f0d28564487bb7

Estação Primeira de Mangueira
A Mangueira invadiu a avenida com carros alegóricos cheios de truques de iluminação e uma orquestra de tamborins surpresa no show da bateria. Tudo para contar a história das maiores festas brasileiras e tentar conquistar o 20º título da escola. O desfile empolgou o público ao mostrar celebrações tradicionais como a cavalhada e o congo, festas que nasceram do sincretismo religioso, como a reverência à deusa das águas, Iemanjá, e eventos mais recentes, como a Parada Gay.

Grandes festanças locais, como o São João nordestino, a Festa do Boi de Parantins, na Região Norte, e a Festa da Uva, no Sul do Brasil, também apareceram com maestria na Sapucaí. O desfile foi fechado quase com chave de ouro com um carro alegórico em alusão ao Réveillon e, como não podia faltar, uma alegoria dedicada à maior festa do país, o próprio carnaval. Um problema técnico com um dos carros deixou a escola apreensiva, depois que ele ficou entalado na avenida. Mas a questão logo foi corrigida e a Mangueira não estourou o tempo.

290e821ca5ba79c7d0a2a1fdcad6c68110789795

Acadêmicos do Salgueiro
Com samba-enredo cantado em coro nas arquibancadas, a Acadêmicos do Salgueiro falou da criação do mundo e aproveitou o tema para fazer um alerta sobre a necessidade de preservação da natureza. O público da Marquês de Sapucaí por pouco não anulou a voz dos puxadores do samba cantando mais alto que eles e gritando “É campeã” ao final do desfile.

A comissão de frente trazia os quatro elementos da natureza (fogo, água, terra e ar) representados pelos deuses africanos, mas o melhor efeito veio logo a seguir, no abre-alas, onde uma bailarina parecia levitar em cima do carro alegórico. O carro dedicado à água também chamou a atenção. Bem iluminado e com uma  imensa serpente marinha, o azul de toda a alegoria se destacou na Sapucaí e aumentou o brilho da apresentação.

cbd67a33d00d5cbd0b9488ae7bf22618a9b56564

Beija-Flor de Nilópolis
A Beija-Flor foi a última a desfilar. A escola de Nilópolis entrou na avenida às 4h21 e levou para o sambódromo a história da evolução da comunicação, com uma homenagem a José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, ex-diretor geral da TV Globo.Boni desfilou no chão, à frente do último carro alegórico da escola, fantasiado de Chaplin. Literatura, televisão, rádio e internet foram lembrados na Sapucaí. Claudia Raia foi a rainha de bateria da escola. A ala com Boni teve artistas e amigos do empresário e diretor de televisão, muitos estreantes na Sapucaí, como Tarcísio Meira, Glória Menezes, Faustão, Regina Duarte, Cid Moreira e Lima Duarte.

Da Redação
Com G1

DA CAPITAL AO INTERIOR – Além de mulher assassinada em Santa Rita, crimes são registrados em JP, Sapé e Lagoa Seca

VIOLÊNCIA URBANA MONTAGEMO primeiro dia do feriadão de carnaval na Paraíba foi marcado por muita violência em todos os aspectos, inclusive no trânsito.

Na tarde do sábado dois foram assassinados na cidade de Sapé, mata paraibana, uma das vitimas foi linchada pela população depois que junto com comparsa assassinou um borracheiro.

Veja mais detalhes do caso: ASSASSINATO EM SAPÉ – Dupla assassina um e depois um dos assassinos é linchado e morto pela população

Em João Pessoa foram três tentativas de assassinato, conforme informou a polícia. O primeiro caso aconteceu quando um adolescente caminhava por uma rua nas proximidades do Cemitério Senhor da Boa Sentença, no Varadouro. A.L.S. de apenas 15 anos foi atingido por disparos efetuados por dois homens numa moto.

A segunda tentativa de assassinato aconteceu minutos depois da primeira na Avenida Trincheiras, no bairro de Jaguaribe, uma mulher foi atingida com disparos de arma de fogo. Os acusados, segundo a polícia estavam de motos e pela proximidade com o primeiro caso, a suspeita é de que foram os mesmos homens.

Já a terceira tentativa aconteceu no bairro de Mandacaru quando Cláudio Félix Bernardo, caminhava pela Rua Iaiá Paiva quando foi alvo de vários disparos. Os motivos do crime ainda são desconhecidos mas a suspeita é de relacionamento com o tráfico de drogas.

Todas as três vítimas foram socorridas para o Hospital de Emergência e Trauma onde permanecem internadas.

Em nenhum dos casos a Polícia conseguiu identificar os autores.

Em Santa Rita uma mulher de 51 anos foi executada na parada de ônibus na noite de ontem (01). Ela estava acompanhada de uma colega quando dois homens em um Fiat Uno se aproximaram e um deles desceu do carro e efetuou vários disparos.

Veja mais detalhes do caso: Mulher é executada a tiros em parada de ônibus na Praça de Marcos Moura em Santa Rita/PB

Em Lagoa Seca, região metropolitana de Campina Grabde, um adolescente de 16 anos foi morto na Vila Florestal com quatro tiros de revólver, que atingiram cabeça, abdome e costas, e alguns golpes de faca.

A polícia informou que o menor de iniciais D.S.Rodrigues, estaria envolvido na morte de outro adolescente de 17 anos, encontrado morto na noite da última sexta-feira, 28/02, por vários golpes de faca.

D.S.Rodrigues foi acusado, ainda, pela morte do líder comunitário Evandro de Assis Oliveira, ocorrida em janeiro.

Violência no Trânsito – Ainda na noite do sábado (01) em João Pessoa, um jovem de nome Alexandre Oliveira, 20 anos, foi atropelado e morto quando tentava atravessar a BR-230 na altura do quilômetro 38.

A vítima foi atingido por um ônibus e morreu na hora. A polícia tomou conhecimento do fato por outros motoristas que trafegavam pelo local e viram o corpo.

O veículo responsável pelo acidente não foi identificado.

Da Redação
Do Expresso PB/Informações de Portais

VEJA VT – Carnaval de Jacumã promete ser um dos melhores da PB com shows de Elba Ramalho, As Coleginhas, Gabi Amarantus e Toni Garrido

Carnaval_Jacumã_2014O Carnaval da cidade do Conde, no Distrito de Jacumã, litoral sul do estado, promete ser um dos melhores da Paraíba. Pelo menos se depender das atrações confirmadas para se apresentarem no evento durante os 5 dias de folia.

Em Jacumã o folião tem opção de lazer durante todo o dia, entrando pela noite. De dia os blocos carnavalescos animam em vários pontos da cidade e a noite no palco principal as melhores atrações atraem um grande número de turistas.

Na sexta-feira (28/02) se apresentam no palco principal a banda  Palov, As Coleguinhas, Ramon Schineider e Cheiro Baiano.

A folia processe no sábado (01/03) com show de  Geração, Yegor Gomes, banda Leva e Elba Ramalho; no domindo (02) Mayara Gonçalves, Patusco, Sacarada e O Rodo; na segunda-feira (03) se apresentam Toque de Samba,  Voa Voa, Vagalumes e Gaby Amarantus.

O último dia (04) de festa reserva as seguintes atrações: Banda Folia, Kitara, Tonho Matéria e Toni Garrido.

O Carnaval de Jacumã  tem a realização da Prefeitura do Conde  e o apoio Governo da Paraíba.

Veja VT da chamada da Programação:

Da Redação
Do Expresso PB/VT: Luiz Vieira