ExpressoPB

Odebrecht fecha acordo de leniência no Panamá e pagará multa de US$ 220 milhões


A Odebrecht fechou um acordo de leniência com o ministério Público do Panamá. De acordo com comunicado divulgado nesta terça-feira (1º) pelo ministério público do país, a empresa concordou em pagar uma multa de US$ 220 milhões. A Odebrecht confirma a informação.

“O compromisso da empresa com o ministério público da República do Panamá parte do reconhecimento da responsabilidade por todos os atos ilícitos de seus empregados, administradores, dirigentes ou terceiros contratados, inclusive fornecedores de bens e serviços”, disse o comunicado. (…) Trabalhamos com a certeza de que estamos encabeçando um processo histórico de luta contra a corrupção, como nunca antes foi feito no país”, afirmou o ministério público panamenho, em comunicado.

O ministério público do Panamá investiga os esquemas de corrupção da Odebrecht desde 2015. Segundo o órgão, as investigações resultaram em bens e direitos apreendidos:

  • 26 investigações, que incluem projetos feitos pela Odebrecht desde 2004;
  • 43 pessoas processadas, sendo 24 panamenhos e 13 brasileiros;
  • US$ 56 milhões entre bens e direitos apreendidos;
  • 49 solicitações de assistência internacional;
  • 2 alertas vermelhos, com ordem de detenção com fins de extradição;

Em comunicado, a Odebrecht disse que “a exemplo do que já ocorreu no Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana e Equador, a empresa segue disposta a colaborar com as autoridades dos diversos países em que atua, visando o avanço das investigações em curso e a elucidação dos fatos contidos em sua colaboração com estes países”.

A empresa ressaltou ainda que está no Panamá desde 2006 e que participou de diversas obras de infraestrutura no país. “Atualmente mais de 10 mil Integrantes atuam nas obras em execução pela empresa no país”, disse a empresa.

Outros acordos

O acordo do Panamá tem o maior valor entre os fechados pela Odebrecht na América Latina (exceto Brasil). Até então, o acordo de colaboração fechado com a Republica Dominicana em janeiro tinha a maior multa – de US$ 184 milhões.

No acordo de leniência fechado pelo grupo com o Brasil, Estados Unidos e Suíça, a Odebrecht concordou em pargar uma multa de R$ 3,82 bilhões. Já a Braskem, petroquímica controlada pelo grupo, terá multa de R$ 3,1 bilhões

Da Redação G1

Artigos relacionados