ExpressoPB

Crise leva 4,1 milhões de pessoas para faixa da pobreza no Brasil, diz estudo


O percentual de pessoas pobres cresceu 22% no Brasil em 2015, de acordo com estudo publicado na segunda-feira (14) por Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), PNUD (Programa da Nações Unidas para o Desenvolvimento) e Fundação João Pinheiro. Em 2014, o percentual de pobres era de 8,1% (menor percentual histórico), saltando para 9,96% no ano seguinte.

“Os dados trazidos pelas PNADs (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) mostram que houve redução na renda per capita da população brasileira e ingresso de 4,1 milhões de pessoas na pobreza, sendo que, deste total, 1,4 milhão de pessoas ingressaram na extrema pobreza”, aponta o levantamento Radar IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) 2015.

Segundo a metodologia, são consideradas pessoas pobres aquelas que têm renda per capita domiciliar inferior a 1/4 de um salário mínimo. Ressalta-se que a referência usada pela pesquisa é o salário mínimo vigente em 2010 (ano do último Censo), de R$ 510.

Ainda segundo o levantamento, a renda per capita caiu –de forma inédita na década– entre 2014 e 2015, de R$ 803,36 para R$ 746,84, respectivamente.

Já o percentual de extremamente pobres (com renda per capita domiciliar de até 70 reais) subiu de 3,01% para 3,63%. O aumento, porém, não foi o primeiro da década –já havia ocorrido em 2013.

Em 2015 o país teve grande retração econômica, com queda de 3,8% no PIB (Produto Interno Bruto) –a maior em 25 anos.

O Radar IDHM é um levantamento que atualiza o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, produzido a cada dez anos, com base nas publicações dos censos do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). A cada ano, porém, o radar faz uma atualização de dados com base na PNAD (Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio), também do IBGE.

Mudança de curva

Os dados revelam uma mudança de curva inédita desde o ano 2010. Segundo a pesquisa, foi a primeira vez na década que houve um aumento do número de pobres no Brasil. Entre 2000 e 2010, o percentual de pobres havia caído de 27,9% para 15,2%. Entre 2011 e 2014, houve queda também, ano a ano (ver tabela abaixo).

Percentual de pobres:

  • 2000: 27,9%
  • 2010: 15,2%
  • 2011: 12,41%
  • 2012: 10,4%
  • 2013: 9,9%
  • 2014: 8,1%
  • 2015: 9,96%

Fonte: Radar e Atlas do Desenvolvimento Humano

Segundo a pesquisa, a renda média de quem é pobre no país caiu, entre 2014 e o ano seguinte, de R$ 154 para R$ 150.

O número de pessoas vulneráveis à pobreza –com renda per capita de meio salário mínimo– também apresentou alta em 2015, de 10%. Segundo o Radar, esse índice saltou de 22,1% para 24,3%.

O dado também representa uma alta extraordinária na década. Entre 2000 e 2010, esse índice de vulneráveis havia caído de 48,4% da população para 32,6%. Essa queda continuou entre 2011 e 2014, quando atingiu o menor percentual da série: 22,1% da população.

Resultado “esperado”

Segundo o pesquisador do Ipea Marco Aurélio Costa, não há surpresa nos dados. “Era esperado pela economia. O que acontece afeta mais na população de renda mais baixa”, explica. “Se você fizer uma relação com o que vinha acontecendo com dados de emprego e desemprego vai entender que era esperado”, diz.

O IDHM faz a análise da condição social em três sub-índices: longevidade, educação e renda. Nos dois primeiros, ao contrário do item rendimento, o país seguiu melhorando seus índices em 2015.

Segundo o pesquisador, os dados ruins da renda nacional fizeram com que o país estagnasse um avanço social de anos.

“O ano de 2015 foi o primeiro ano em que o IDHM se manteve estagnado na década. A longevidade continuou avançando no mesmo ritmo que nos anos anteriores. No caso da educação houve uma desaceleração, mas houve avanços, mesmo que menores do que nos dois anos anteriores. A renda abaixo é que segurou o IDHM”, afirma.

Da Redação 
Com Uol

Artigos relacionados

Orgy