ExpressoPB

Ricardo descarta privatizar a Cagepa, mas revela pressão do Governo Federal


Mesmo com a pressão do Governo Federal, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB) decidiu “peitar” a orientação sobre privatização e anunciou, em coletiva de imprensa, realizada nesta terça-feira (04), que não vai privatizar a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba, a Cagepa.

O anúncio também contraria o prognóstico de parte da oposição na Paraíba, que antecipadamente já acusava o governo de armar para vender a empresa e condenava o governador Ricardo Coutinho.

Ao invés de aproveitar o momento e ceder a pressão do governo central, o governador Ricardo Coutinho vais mais uma mostra para o Brasil sua  história de resistência.

Na justificativa Ricardo lembrou que o Estado da Paraíba faz, desde 2011, um ajuste fiscal que faz com que o Estado consiga manter a Folha de Pessoal em dia e ainda manter investimentos, portanto, não se enquadra no perfil dos estados que estão realmente quebrados.

“Tenho a missão de expressar a decisão sobre a Cagepa.Cito Fernando Pessoa: é tempo de travessia. A Cagepa é o maior patrimônio da Paraíba. Atende a toda a Paraíba, a quase todos os municípios, a quase 3 milhões de clientes. Vale mais de um bilhão. Os serviços de ligação de esgoto aumentaram 75% e é na nossa gestão também aumentou sua arrecadação. A Cagepa já estaria fechada se eu não tivesse feito a responsabilidade tarifária. Nao posso olhar as coisas por eleições e sim com responsabilidade tarifária. Levei muita pancada mas não quebrei a empresa lá trás. Sempre foi preservado o equilíbrio. Em 6 anos R$ 310 milhões foram pagos em investimentos. Tivemos uma modernização importante nestes anos. A empresa melhorou muito e cortamos muito para manter ela de pé. No ano passado a capital com a menor perda de água. 70 % dos consumidores da tarifa mínima e a tarifa social foi mantida todos esses anos. Água é essencial para a existência humana. Já tivemos um superávit fato muito difícil e importante. Nós temos erros, falhas e história e isso não se muda facilmente. Esse superávit deve ser ampliado. É preciso saber a situação da empresa. É o nosso maior patrimônio. A Cagepa representa o estado da Paraíba e o subsídio cruzado ajuda quando uma arrecadação vai mais abaixo. A Cagepa é estratégica para o desenvolvimento do estado, mas penso eu que ela também é em relação ao futuro e é isso que está em jogo, por isso anuncio que NÃO VOU PRIVATIZAR A CAGEPA”, disse;

Após o anúncio Ricardo Coutinho foi bastante aplaudido, sobretudo por uma parcela de servidores da Cagepa que se fizeram presentes no local, e estavam na expectativa, sobretudo pela possibilidade de verem a empresa onde trabalho ser destinada à iniciativa privada.

Logo quando a discussão foi colocada em debate o secretário de Estado dos Recursos Hídricos, João Azevedo, afirmou que em relação a essa suposta privatização da Cagepa “estavam confundindo alhos com bugalhos” e que em nenhum momento o Governo havia cogitado a possibilidade, apesar da pressão do governo federal.

O governador ainda complementou a justificativa. “A empresa sendo pública ela estará à disposição do povo e não para interesses individuais. Ela olha para os diferentes de maneira igual. Eu sei o que significa essa posição que tomamos aqui. As crises são frequentes mas se você vende o patrimônio público você fecha um buraco, mas ele volta”.

ACORDO

O governador ressaltou que já firmou um acordo com o sindicato que representa a categoria. Eles retiraram as ações contra a empresa. Uma dizia respeito ao vale de alimentação e a outra sobre os contratos dos aposentados que voltaram a trabalhar.

“Temos a necessidade da manutenção da empresa pública. Fizemos um acordo e estamos cumprindo. Eu não tenho falta de palavra. E o que conversamos em defesa da companhia, os excessos teriam que ser retirados. É algo difícil. Tenho compreensão disso. Mas é preciso manter e recuperar a empresa. A Cagepa é uma empresa e ela precisa se manter superavitária e aumentar seus serviços. Negociamos data base, que precisa ter reajuste. Hélio Cunha Lima e os sindicatos junto conosco decidimos assim. A obra do século vamos fazer com recursos próprios e precisava da Cagepa conosco”, destacou.

A coletiva aconteceu no Palácio da Redenção e contou com a presença da vice governadora Lígia Feliciano (PDT), do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Gervásio Maia (PSB), de vários auxiliares e deputados aliados.

Da Redação 
Com Pbagora

Artigos relacionados