ExpressoPB

Denuncismo que gera descrédito e o moído do super salário


Denuncismo que gera descrédito 

O denuncismo desenfreado é um dos principais fatores que está levando a ala radical de oposição ao Governo do Prefeito Antonio Gomes em Mari a cair no descrédito. Nada é tão banal para a opinião pública do que a repetição e cantilena permanente, sem nenhuma prova palpável e/ou fatos novos e concretos.

O adágio popular de que “a pressa é inimiga da perfeição” cai perfeito na situação em que essa ala radical começa a enveredar-se. E nesse caso, a gestão municipal tem que reconhecer que está sendo beneficiada pelo exagero oposicionista.

O denuncismo fanático é tanto que de tanto surgirem ‘perfis anônimos’ nas redes sociais e a cada minuto uma denúncia atrás da outra – cada um querendo atingir mais a gestão – que quem os acompanha não consegue assimilar absolutamente nada, na verdade mais confunde do que esclarece o que se quer denunciar.

A banalização das denúncias começa a não surtir o efeito ‘surpresa (!)’, daí não atrai mais a curiosidade de quem a recebe para averiguar o suposto fato.

Some-se a isso a distorção desses fatos a medida em que os desmentidos aparecem, já que pelo que parece, a equipe da gestão começa a fazer o contraponto.

Em casos de denúncias sobre mau atendimento, os responsáveis pelos órgãos começam a exigirem os nomes dos funcionários envolvidos e como muitas das denúncias são criações das mentes pervertidas, a tendência é a diminuição consideravelmente dessas denúncias.

A ânsia desenfreada de desgastar o governo da parte de lá e a reação imediata da parte da gestão começa a fazer efeito que beneficia, evidentemente a administração, já que da parte da oposição nem sempre eles conseguem provar o que dizem.

A preço de hoje, o denuncismo da oposição é o principal marqueteiro do governo, que registre-se, ainda não conseguiu engrenar!.

O moído do super salário

Me assustei ao ler o Revista Páginas e me deparar com uma matéria a respeito de um servidor público da prefeitura de Mari que percebeu como vencimentos em dezembro do ano passado mais de R$ 6 mil. O primeiro susto foi com o valor e o segundo pela matéria mesmo. Como o blog teria conseguido tal informação, inclusive com cópia do documento, se nem mesmo nós que somos acusados diariamente de sermos “pagos” pelo atual governo não tivemos essa exclusividade.

Passado o susto, passei a refletir e a partir daí entender o porquê de tamanha ofensiva por parte de algumas pessoas que faziam parte da gestão anterior a quem discordou e/ou discorda da forma como o município de Mari foi gerido durante os últimos quatro anos.

Tem dias que ao abrir uma rede social fico assustado, vez ou outra meu nome está lá estampado com citações absurdas, agressões gratuitas e eu fico me perguntando o que faço para merecer tanta agressão gratuita, que transparece ódio. Agora tenho as respostas para as minhas perguntas.

A busca por dinheiro e poder cega o homem, o deixa insensível e sem razão e se deixa dominar pelo ódio. Pois bem, entendi que a quebra do ciclo de privilégio deixa amargura e raiva, a prova disso está no contracheque e nas atitudes de alguns.

O tempo dirá se valeu apena…

A última da coluna

“…Se eu ceder a uma única chantagem, me tornarei refém pela vida inteira” (Autor Desconhecido)

Marcos Sales
Contato com a coluna: @Salles_Marcos
Email: marcosexpresso@live.com

Artigos relacionados

Orgy