ExpressoPB

Câmara de Sapé silencia quanto a reforma da previdência; na região legislativos miris ja se posicionaram contra


A Câmara Municipal de Sapé, região da Zona da Mata da PB,  ainda não deu sinal de quando irá debater o assunto mais comentado em todo e qualquer recanto desse país, a reforma da previdência.

Na região as câmaras de Mari, Cruz do Espírito Santo, Bananeiras, dentre outras, já realizaram audiências públicas para abordar o assunto, com a presença de trabalhadores, ong’s, sindicatos, associações, dentre outros órgãos de defesa dos direitos trabalhistas.

Leia também: Presidente da Câmara de Bananeiras/PB se posiciona contra a Reforma da Previdência e enaltece gestão de Douglas Lucena

O Presidente da Câmara Municipal de Mari, Alisson Gomes, apesar de pertencer ao PSDB já marcou posição contrária a referida reforma, tendo recebido o apoio da unanimidade dos vereadores.

Leia também: Contrário a Reforma da Previdência, Presidente da Câmara de Mari convoca população para Audiência Pública nesta 4ª

Em Sapé, por mais que o atual Presidente, Johni Rocha (PSDB) afirme que a câmara é a casa do povo, o assunto que é um dos mais comentados e discutidos na boca do povo ainda não teve prioridade em sua pauta e pelo que parece poucos vereadores se pronunciaram sobre o assunto, segundo informações enviadas a redação do ExpressoPB.com.

As atitudes do presidente demostra que o seu maior interesse é está na discussão das querelas políticas locais, polarizando sua disputa com o prefeito e seu sobrinho, enquanto um assunto dessa importância social para Sapé e para o Brasil lhe foge aos olhos.

A vereadora Cibele Cabral (PSB) durante entrevista ao ExpressoPB.com foi enfática ao afirmar que os deputados que votarem a favor da reforma não recebe o voto do povo no ano que vem. Fora ela, mas nenhum parlamentar abordou o assunto, pelo menos publicamente.

Leia também: Parlamentar sapeense avisa aos deputados da PB: “se votarem a favor da reforma da previdência, não votaremos mais neles”

A cidade de Sapé, que já foi berço das Ligas Camponesas, revolucionária na luta pelo direito dos trabalhadores, parece viver um outro momento. Com a palavra quem de direito.

Da Redação 
Do ExpressoPB

Artigos relacionados

Orgy