ExpressoPB

Princesa vista lá fora (3)


Na imprensa de todo o País repercutiam os acontecimentos que tinham como palco o território livre de Princesa. Os rebeldes comandados pelo deputado e coronel José Pereira infligiam sucessivas derrotas à nossa briosa policia militar, aquartelada no Piancó e entrincheirada nos arredores das cidadelas ocupadas pelos pereristas. Lutando em território que conheciam com a palma da mão, os rebeldes levavam vantagem diante das tropas legais. Além do mais, enquanto o presidente João Pessoa tinha dificuldade em aparelhar suas fileiras, os rebeldes recebiam armas e munição através da fronteira com Pernambuco, onde os primos de João Pessoa, com seus interesses comerciais na Paraíba dificultados pelo parente, resolveram se alinhar com o coronel Pereira.

Apesar das dificuldades, a PM conseguia ser armada de forma clandestina, fugindo ao cerco que o governo federal impunha à Paraíba . O jornal “A Noite”, do Rio, em sua edição de 9 de maio de 1930, publicou notícia oriunda de Princesa: “Entre o material aprehendido pela columna de Marcolino Diniz, no combate do Gavião, foram encontradas munições que assignalam aquisição clandestina feita pelo Governo do Estado e contendo os nomes e firmas que serão oportunamente divulgadas”. Segundo o noticiário, a tropa de Marcolino “destroçou  a polícia parahybana” e fez mais de doze prisioneiros, alguns deles feridos. E concluía: “ o deputado José Pereira mandou internal-os no hospital de sangue recomendando o melhor tratamento para todos”.

O noticiário da capital da República dá conta de que o presidente João Pessoa recorreria ao Supremo Tribunal Federal visando conseguir comprar armas e munições para sua polícia. Divulgava o Diário de Notícias, em 3 de julho de 1930: “O STF, ao que estamos informados, vae ser solicitado a pronunciar-se sobre o caso da Parahyba, porque em favor do Sr. João Pessoa será requerido um recurso judiciário, que lhe permitta adquirir armamentos e munições para a policia estadual, baseado em que cabe ao governo do Estado manter com a sua policia a ordem interna”. Na justificativa se propagava qu e o território paraibano estava convulsionado por bandoleiros e o Presidente não poderia armar sua policia em virtude dos impedimentos opostos pelo governo federal.

A guerra era também travada nas páginas dos jornais. Divulgava-se, com ênfase, apoios recebidos pelo presidente João Pessoa e, por outro lado, as estratégias armadas para atacar Princesa. Algumas notícias tinham cheiro de terrorismo. Vejamos esta: “Recife, 9, (especial para A Noite): O deputado José Pereira recebeu o seguinte telegrama, procedente da Parahyba: “Nosso amigo Heitor Santiago acaba de informar estar inteirado de fonte official, que Princeza será bombardeada, de hoje até sábado, por um avião que se encontra em Teixeira, e que empregará gazes asphyxiantes fabricados num laboratório allemão de Rio Tinto…Confio na altivez dos princezenses, que manterão,serenos, sua defesa heróica. Abraços (a) João Dantas”. A essa altura, o lado rebelde pressentia que João Pessoa tinha pressa em acabar com a luta de guerrilha instalada nas cercanias de Princesa, antes que um projeto de intervenção no Estado, fosse aprovado.

O Jornal do Comercio, do Recife, pintava um João Pessoa apavorado com a iminência de uma intervenção. Publicou e mandou para a imprensa do Rio, o seguinte despacho: “Parahyba, 8, Aterrorizado com a possibilidade de uma intervenção federal, o presidente João Pessoa, procura por todos os meios, insinuar e até forçar manifestações de protesto pelo Estado, com objectivo de impressionar o povo e provocar grande repercussão em todo o paiz.Nesse sentido tem exercido forte pressão até junto aos alumnos das escolas da capital do estado, que foram obrigados a andar de porta em porta, angariando assignaturas para telegramas de protesto contra  a intervenção federal, dirigidos aos altos poderes da Republica. A todos os collegios  e escolas publicos e particulares em toda a Parahyba foram transmittidas instruções com o mesmo fim”

As manifestações de solidariedade ao presidente, imolado alguns dias depois, entretanto, surgiam espontâneas e, até inusitadas. “O maior proprietário da Parahyba hipoteca solidariedade ao Sr.João Pessoa”. O jornal A Noite , do Rio, na edição de 3 de julho contava que o Sr. Alfredo Atahyde, que é “talvez o maior proprietário desta Capital”, acumulou uma fortuna de dois milhões de contos de reis. Procurou o presidente e disse: “com satisfação e orgulho, a um aceno do presidente João Pessoa, recolheria elle imediatamente ao Thesouro do Estado essa importância.”. As alunas da Escola Normal, por outro lado, cobriram João Pessoa de flores em visita devidamente documentada e relatada na imprensa do sul.”Parahyba, 17- Cerca de trezentas alunas da Escola Normal estiveram ontem em Palácio, onde foram entregar a sua contribuição para as viúvas dos soldados mortos em Princeza.Falou em nome das alumnas o Sr.Matheus de Oliveira, diretor da Escola, tendo o presidente João Pessoa agradecido em vehemente discurso terminando por dizer: Deus não permitirá a vitória do trabuco  sobre a lei.As alumnas cobriram o Sr.João Pessoa de flores vermelhas”…Nove dias depois, o presidente paraibano voltaria do Recife coberto de flores brancas! O trabuco venceu!(Nas transcrições,mantive a grafia da época. Obs. O Sr. Alfredo Atahyde veio a ser sogro do ex-governador Clovis Bezerra, portanto, avô do ex-deputado Afrânio Bezerra).  

Ramalho Leite
Jornalista/Ex-Deputado – Colunista

 

Artigos relacionados

Orgy