ExpressoPB

À EXPRESSO, vereadora de Sapé Cibele Cabral fala de política, mudança de partido e sua atuação parlamentar


07 - 10Em entrevista a EXPRESSO, edição de março, a vereadora de Sapé, Cibele Cabral (PSB) recebeu a equipe da revista para um bate papo sobre política, sua mudança de partido e a sua atuação parlamentar.

De uma espontaneidade ímpar, Cibele foi direta nas respostas, o que o internauta passa a conferir a seguir na íntegra no mesmo teor publicado na edição impressa de EXPRESSO:

CIBELE CABRAL

“Eu não era do partido de Roberto, mas fui acolhida por ele desde o início de seu governo, agora no finalzinho se eu rompesse com essa aliança realmente seria uma incoerência minha”.

Sorriso aberto, fala mansa e posicionamento forte. Assim é a vereadora sapeense Cibele Cabral, integrante de uma bancada feminina que conta com mais três companheiras na Câmara Municipal de Sapé.

Cibele bem que poderia adotar o slogan “Presente em todas as lutas”, pois seu mandato abrange uma série de segmentos. Tem problemas na cidade ela se faz presente: na feira livre, no lixão, nas reivindicações de classes, na cultura, na igreja e em todos os lugares e recantos, basta apenas chegar a seu conhecimento.

Cibele Cabral já conhece os bastidores da política e revela que nem tudo que parece é: “se faz adversários sem querer”.

Em entrevista concedida a EXPRESSO durante sua filiação ao PSB, a parlamentar revelou porque deixou o PSD, expos descontentamento como Deputado Rômulo Gouveia e disse ser incoerência deixar o governo de Roberto após passar três compondo sua bancada, conforme o leitor pode conferir a seguir:

 

RE – Vereadora Cibele Cabral qual o sentimento de está se filiando hoje ao PSB?

Cibele Cabral – Uma comoção de um conjunto de sentimentos interessante, hoje eu mim sinto mais valorizada por estar entrando num partido que foi me conquistando aos poucos, já que eu venho de um partido que – infelizmente – a muito tempo eu tenho me sentido rejeitada, excluída. Então estou chegando a um partido que é sério, um partido que tem comprometimento com as políticas públicas e com o destino do nosso município. Eu me sinto valorizada, me sinto bem por está ingressando nessa nova sigla.

RE – Quais foram os motivos que a fizeram sair efetivamente do PSD?

Cibele Cabral – Foi a indiferença. Acho que em qualquer lugar que você se sinta excluída, a parte de um projeto, de um grupo, você vai definhando, você vai se sentindo diminuída e foi basicamente isso que me fez sair do PSD.

RE – Essa sua insatisfação ela é gerada na direção municipal ou na direção estadual?

Cibele Cabral –  Exatamente lá na Direção Estadual.

RE – Então a Sra credita essa insatisfação ao Deputado Rômulo Gouveia, Presidente Estadual da legenda?

Cibele Cabral – Exatamente. Eu preciso dizer eu acho que as vezes o político ele se cala tanto, muita das vezes mascara tanto as verdades, há um momento que ele precisa dizer. Toda indiferença partiu da direção estadual do partido e não do municipal.

RE – A Sra fez na sua fala durante seu pronunciamento a seguinte declaração: “Na política toda aparência é falsa”… Porque a Sra acha que na política toda aparência é falsa?

Cibele Cabral – Porque muitas das vezes se atribui ao político uma comodidade, um glamour, parece ser uma coisa tão boa que ele vive, e não é assim (!). Na política caminhamos também por uma via crucies e que muitas das vezes para se chegar, para se atingir um objetivo e persistimos no foco que nós temos a gente batalha demais, a gente sofre, a gente muitas das vezes é massacrado e as coisas não são exatamente como as pessoas pensam.

RE – Outra frase também dita pela Sra. foi que “na política se faz adversários sem querer”. Baseada em que partiu essa sua afirmação?  

Cibele Cabral –  A política como em todos os setores da vida existe infelizmente uma competitividade, um ciúme fora do normal; em campanha esse ciúme, essa competitividade faz com que as pessoas quando olham pro político, quando olham pra gente veja um competidor em potencial, alguém que queira puxar o seu tapete. Eu não faço parte dessa corrente não, eu acho que quando algo tem que ser pra você é seu e ninguém toma. Quando entrei na política as pessoas diziam que eu não ia chegar, diziam que não havia condições pra mim e Deus me colocou aqui. Eu acredito dessa forma, acredito que algo é para você, é seu. Não precisa ter ciúmes de fulano e de cicrano, cada um tem o seu brilho, cada um tem o seu mérito, o seu dom; cada um tem o seu potencial, cada um conquista aquilo que Deus colocou pra você. Precisa ninguém puxar o tapete de outro não. Eu acho isso terrível na política e isso tem me entristecido demais, talvez essa seja um dos pontos principais que um dia me fará sair da política.

RE – A Sra foi bastante assediada por outros partidos, o PP, PT.  Porque a decisão de ir para o PSB?

Cibele Cabral –  Exatamente por essa linha de coerência.

RE –  A Sra falou que era incoerente começar dentro do governo e terminar de fora dele.

Cibele Cabral –  Exatamente. Era incoerência minha, mais essa incoerência alinhada a uma aprovação minha a administração do prefeito. Eu não era do partido dele mais fui acolhida por ele desde o início e agora no finalzinho se eu rompesse com esse pacto, com essa aliança realmente seria uma incoerência minha. Eu te digo que Roberto Feliciano tem mostrado trabalho, tem valorizado nossos funcionários, valorizado o povo sapeense, ele tem feito tudo aquilo que o município tinha emergência e urgência, certo que não é um prefeito ideal, porque o ideal nunca vai existir. Mais é um prefeito que tem feito o possível para poder atender as necessidades prioritárias do nosso município, vendo isso eu me achei na responsabilidade e atendendo a minha consciência de seguir com ele, de fazer parte dessa sigla, mesmo porque o Governo do Estado também trabalha demais, isso é incontestável.

RE – Seu mandato tem sido presente em todas as lutas, muitas são as suas reivindicações. Como é que  a Sra avalia esses três anos de seu mandato?

 Cibele Cabral – Olha, quando entrei na Câmara Municipal eu achei que podia tudo, acho que esse é o pensamento de todo legislador. Houve uma frustação então? É uma frustação total. Mas naquilo que eu me dispus, aquilo que eu acreditava, que via que necessitava de que eu fizesse como parlamentar, eu fiz! Acho que fiz pouco, preciso fazer mais. Eu queria ter realmente transformado muita coisa, mas infelizmente o poder legislativo ele ainda pode pouco. Sai da sala de aula para o parlamento cheia de projetos, sonhos, esperança… quando a gente chega aqui toma um banho de água fria, começa a viver os projetos dos outros (risos). Mas naquilo que eu possa fazer eu sei que estou fazendo e isso pelo menos mim conforta.

RE – A Sra falou em coerência e gratidão na política. Nesse campo de concorrência existe isso?

Cibele Cabral – Olhe, eu pelo menos sou grata a tantos quantos fizeram parte e estiveram na trajetória política, inclusive as pessoas que me pressionaram a vinda a essa casa, que foi o Dr. Walter, o ex-vereador Jussiê que foram na minha casa e pediram, sou grata a esses homens mesmo que hoje não faça parte da mesma linha política deles; sou grata aqueles que de alguma forma mim apoiam, acho que a gratidão ela é quase uma espécie em extinção, mas o ingrato é abominável ao coração de Deus. O ser humano precisa exercitar o lado da gratidão, a gente precisa reconhecer de verdade aquelas pessoas que vem para o nosso caminho, para o nosso mundo e nos fazem bem. De uma forma generalizada eu sei que a gratidão como já disse é uma espécie em extinção em muita gente, mais eu lamento isso.

RE – Pronta pra 2016 ?

Cibele Cabral – (Risos) Eu peço a Deus todos os dias que ele me dê forças para poder enfrentar esse campo de batalha, essa guerra que é a política. Olha, é uma luta tão desigual, uma luta tão difícil, tanta mentira no meio, tanta gente desleal que eu peço a Deus que ele me revista com a sua armadura, com o seu poder com a sua misericórdia que mim proteja que venha me blindar com o Santo Espirito, porque se não a pessoa não suporta. Eu tenho dito: a política não é aquilo que as pessoas pensam, é claro que existe o ônus e o bônus, é claro que existe o preço. A bíblia diz que tudo que é lhe dado de muito, muito também lhe é cobrado. Eu sei disso, eu tenho consciência disso e vou pra essa batalha novamente pedindo a Deus que me der forças, fôlego e saúde, mais vamos sim A VITÓRIA.

Da Redação
Do ExpressoPB

Artigos relacionados

Orgy